Fechar
Declaração sobre o surto do coronavírus 2019 (COVID-2019)

A fim de apoiar o trabalho do Charles Simeon Trust, o conselho administrativo escreveu, adaptou e adotou uma declaração de doutrinas centrais. Enquanto a Escritura permanece como nossa única autoridade, esta declaração doutrinária serve como uma articulação concisa das crenças do conselho administrativo. Como tal, exigimos que todos os funcionários, palestrantes e líderes de pequenos grupos também concordem com essa declaração. Ela também pode ser encontrada no Artigo III do nosso Estatuto Social (ou seja, NFP Bylaws).

A Declaração Doutrinária da Corporação é a seguinte:

1. Afirmamos que o Evangelho confiado à Igreja é, em primeira instância, o Evangelho de Deus (Marcos 1:14, Rm 1:1). Deus é seu autor e Ele nos revela isso em e por sua palavra. Sua autoridade e confiança repousam somente sobre Ele.

Negamos que a verdade ou autoridade do Evangelho derive de qualquer percepção ou invenção humana (Gl 1: 1-11). Também negamos que a verdade ou autoridade do Evangelho esteja sob a autoridade de qualquer igreja ou instituição humana em particular.

2. Afirmamos que o Evangelho é o poder salvador de Deus, na medida em que o Evangelho efetua a salvação para todos os que crêem, sem distinção (Rm 1.16). Essa eficácia do Evangelho é pelo poder do próprio Deus.

Negamos que o poder do Evangelho esteja na eloquência do pregador, na técnica do evangelista ou na persuasão do argumento racional (1Coríntios 1:21, 2:1-5).

3. Afirmamos que todos os homens e mulheres são criados à imagem de Deus, à sua semelhança e juntos exercendo domínio sobre toda a criação. Nós igualmente afirmamos que o Evangelho diagnostica a condição humana universal, após a Queda, como uma rebelião pecaminosa contra Deus, a qual, se inalterada, levará cada pessoa à uma perda eterna sob a condenação de Deus (Gn 1:26-28, Rm 3:9-26).

Negamos qualquer rejeição da criação de homens e mulheres à imagem de Deus ou, subsequentemente, a queda da natureza humana. Nós igualmente negamos que, com respeito à justificação pela fé de tal queda, há qualquer distinção entre etnias, status sociais ou gêneros (Rm 5: 18-21, Gl 3: 23-28).

4. Afirmamos que Jesus Cristo é o único caminho de salvação, o único mediador entre Deus e a humanidade (João 14:6, 1 Tm 2:5).

Negamos que alguém seja salvo de qualquer outra forma que não seja por Jesus Cristo e Seu Evangelho. A Bíblia não oferece esperança de que os adoradores sinceros de outras religiões serão salvos sem a fé pessoal em Jesus Cristo.

5. Afirmamos que a Igreja é ordenada por Deus e, portanto, está sob a obrigação divina de pregar o Evangelho a toda pessoa viva (Lucas 24:47; Mt 28:18-19).

Negamos que qualquer classe ou grupo particular de pessoas, seja qual for sua identidade étnica ou cultural, possa ser ignorada ou negligenciada na pregação do Evangelho (1Co 9:19-22). Deus propõe uma Igreja global composta de pessoas de todas as tribos, línguas e nações (Ap 7:9).

6. Afirmamos que a fé em Jesus Cristo como a Palavra divina (ou Logos, João 1:1), a segunda Pessoa da Trindade, co-eterna e co-essencial com o Pai e o Espírito Santo (Hb 1: 3) é fundamental para a fé no Evangelho.

Negamos que qualquer visão de Jesus Cristo que reduza ou rejeite sua divindade plena seja a fé do Evangelho ou que vá valer para a salvação.

7. Afirmamos que Jesus Cristo é Deus encarnado (João 1:14). O descendente de Davi nascido de uma virgem (Rm 1: 3), tinha uma verdadeira natureza humana, estava sujeito à Lei de Deus (Gl 4:5) e era como nós em todos os pontos, exceto que era sem pecado (Hb 2:17, 7: 26-28). Afirmamos que a fé na verdadeira humanidade de Cristo é essencial para a fé no Evangelho.

Negamos que qualquer pessoa que rejeite a humanidade de Cristo, sua encarnação ou sua impecabilidade, ou que sustente que essas verdades não são essenciais para o Evangelho, será salvas (1 João 4:2-3).

8. Afirmamos que a expiação de Cristo, pela qual, em sua obediência, Ele ofereceu um sacrifício perfeito, propiciando o Pai pagando pelos nossos pecados e satisfazendo a justiça divina em nosso favor, segundo o plano eterno de Deus, é um elemento essencial do Evangelho.

Negamos que qualquer visão da expiação que rejeite a satisfação substitutiva da justiça divina, realizada vicariamente pelos crentes, seja compatível com o ensino do Evangelho.

9. Afirmamos que a obra salvífica de Cristo incluiu tanto a sua vida quanto a sua morte em nosso favor (Gl 3:13). Declaramos que a fé na perfeita obediência de Cristo, pela qual ele cumpriu toda a exigência da Lei de Deus em nosso favor, é essencial para o Evangelho.

Negamos que nossa salvação tenha sido alcançada apenas ou exclusivamente pela morte de Cristo, sem referência à sua vida de perfeita justiça.

10. Afirmamos que a ressurreição corporal de Cristo dentre os mortos é essencial para o Evangelho bíblico (1 Coríntios 15:14).

Negamos a validade de qualquer pretenso evangelho que negue a realidade histórica da ressurreição corporal de Cristo.

11. Afirmamos que a doutrina bíblica da justificação pela fé somente em Cristo é essencial ao Evangelho (Rm 3:28 e 4:5, Gl 2:16).

Negamos que qualquer pessoa possa crer no Evangelho bíblico e, ao mesmo tempo, rejeitar o ensino apostólico da justificação pela fé somente em Cristo. Também negamos que haja mais de um verdadeiro evangelho (Gl 1:6-9).

12. Afirmamos que a doutrina da imputação de nossos pecados a Cristo e de sua justiça para conosco, pela qual nossos pecados são totalmente perdoados e somos totalmente aceitos, é essencial para o evangelho bíblico (2 Co 5:19-21).

Negamos que somos justificados pela justiça de Cristo infundida em nós ou por qualquer justiça que seja considerada inerente dentro de nós.

13. Afirmamos que a justiça de Cristo, pela qual somos justificados, é propriamente Sua, a qual Ele realizou a despeito de nós, em e por sua perfeita obediência. Essa justiça é contada, computada ou imputada a nós pela declaração forense (isto é, legal) de Deus, como a única base de nossa justificação.

Negamos que todas as obras que realizamos em qualquer estágio de nossa existência aumentem o mérito de Cristo ou obtenham para nós qualquer mérito que contribua de alguma forma para o fundamento de nossa justificação (Gl 2:16, Ef 2:8-9, Tito 3:5).

14. Afirmamos que enquanto todos os crentes são resididos pelo Espírito Santo e estão no processo de se tornarem santos e conformados à imagem de Cristo, essas consequências da justificação não são o seu fundamento. Deus nos declara justos, perdoa nossos pecados e nos adota como Seus filhos, somente pela Sua graça e somente pela fé, por causa de Cristo, enquanto ainda somos pecadores (Rm 4:5).

Negamos que os crentes devem ser inerentemente justos em virtude de sua cooperação com a graça que transforma a vida de Deus antes que Deus os declare justificados em Cristo. Somos justificados enquanto ainda somos pecadores.

15. Afirmamos que a fé salvadora resulta na santificação, na transformação da vida em conformidade crescente com Cristo através do poder do Espírito Santo. Santificação significa arrependimento contínuo, uma vida comprometida em desviar-se do pecado para servir a Jesus Cristo em agradecida confiança como o único Senhor e Mestre (Gl 5:22-25, Rm 8:4, 13-14).

Rejeitamos qualquer visão de justificação que se divorcie de nossa união santificadora com Cristo e nossa crescente conformidade à sua imagem através da oração, arrependimento, apoio e vida no Espírito.

16. Afirmamos que a fé salvadora inclui consentimento mental ao conteúdo do Evangelho, reconhecimento de nosso próprio pecado, necessidade, dependência e confiança pessoal em Cristo e em sua obra.

Nós negamos que a fé salvadora inclui apenas a aceitação mental do Evangelho, e que a justificação é assegurada por uma mera profissão externa de fé. Além disso, negamos que qualquer elemento da fé salvadora seja uma obra  meritória ou que seja para nós uma salvação.

17. Afirmamos que, embora a verdadeira doutrina seja vital para a saúde espiritual e o bem-estar, não somos salvos pela doutrina. A doutrina é necessária para nos informar como podemos ser salvos por Cristo, mas é Cristo quem salva.

Negamos que as doutrinas do Evangelho possam ser rejeitadas sem dano. A negação do Evangelho traz ruína espiritual e nos expõe ao julgamento de Deus.

18. Afirmamos que Jesus Cristo ordena a seus seguidores que proclamem o Evangelho a todas as pessoas vivas, evangelizando a todos em toda parte e discipulando os crentes dentro da comunhão da Igreja. Um testemunho fiel e completo de Cristo inclui testemunho pessoal, vida piedosa e atos de misericórdia e caridade ao próximo, sem os quais a pregação do Evangelho parece estéril.

Negamos que o testemunho pessoal, a vida piedosa e os atos de misericórdia e caridade para com o próximo constituam um evangelismo à parte do anúncio do Evangelho.

19. Afirmamos que todos os homens e mulheres cristãos devem estar engajados e treinados para o ministério. Também afirmamos que alguns homens e algumas mulheres são dotados para ensinar e liderar vários ministérios da Palavra para o benefício da Igreja (Ef 4:11-13, 2 Tm 2:2, Tito 2:3-5).

Negamos que qualquer mulher deva estar envolvida nas tarefas específicas de ensinar ou pregar a Palavra aos homens em uma reunião corporativa da Igreja ou exercer a autoridade pastoral sobre os homens na Igreja (1 Tm 2:12-15, 1 Co 14:34b-38).

20. Afirmamos que Adão e Eva foram feitos para complementar um ao outro em uma união de casamento de uma só carne que estabelece o padrão pretendido por Deus para as relações sexuais entre um homem e uma mulher. Consequentemente, atos homossexuais e adúlteros são pecaminosos (1 Co 6,9-11).

Negamos que atos homossexuais ou adúlteros não-arrependidos não prejudiquem o ministério público e privado. Pelo contrário, tais atos constituem fundamentos para a demissão do ministério.